Pra que berço? Use uma caixa de papelão!

Imagine a cena: você chegando em casa com uma caixa de papelão e dizendo "querida, trouxe aqui o berço do nosso filho!". Antes de tentar tamanha façanha é melhor explicar a ela que em alguns países - com alto índice de desenvolvimento humano - é costume as crianças dormirem nessas caixas. E que faz um bem danado.
 

Meu pai nasceu na zona rural de Minas Gerais no começo da década de 1940. Não havia médico por perto para fazer o parto nem acompanhar os primeiros dias (meses, na verdade) de vida do menino. Ele nasceu prematuro de sete meses e o colocaram dentro de uma caixa de sapato. Ao lado dele, duas garrafas com água aquecida o tempo todo. O menino da caixa vingou, cresceu e hoje estou aqui escrevendo esse texto sobre bebês que dormem em caixas de papelão. E esses pequeninos dormem hoje nessas caixas não no século passado ou em algum lugar distante de grandes cidades ou tecnologias, mas na Finlândia, Estados Unidos, Canadá e Reino Unido.

No caso do meu pai, a caixa evitou um grave problema: a mortalidade infantil. A Finlândia tem uma das taxas de mortalidade infantil mais baixas do mundo e eles asseguram que um dos motivos é uma tradição antiga, de 1930. Não importa a classe social, todas as mães recebem uma caixa de papelão com um pequeno colchão para ser usada como berço. Dentro da caixa há também presentes como roupas, pijama, sapatinhos, produtos de banho, fraldas, babadores, toalha e um álbum fotográfico. 

A caixa vendida pela Finnish Baby Box Company vem com tudo isso e custa 450 dólares

Segundo o site da “BBC”, em 2014, três pais finlandeses resolveram criar uma empresa para comercializar as caixas para clientes de vários países, a Finnish Baby Box Company (fotos). A ideia se espalhou e nos Estados Unidos e no Reino Unido também já existem empresas que oferecem o mesmo produto. De acordo com a reportagem, até o governo da Cidade do México se inspirou no modelo finlandês e criou um projeto para acompanhar a gravidez de mães com menos recursos financeiros para combater a mortalidade infantil.

O fato é que a caixa evita que o bebê durma na cama dos pais e reduz o risco de morte súbita por asfixia, de acordo a "BBC". Alguns locais, como a África do Sul, já estão adaptando a ideia para outras necessidades do país. Empresários sul-africanos fizeram uma caixa plástica que também pode servir como banheira.

Bom, eu imagino que o bebê realmente deve se sentir confortável dentro dessa caixa. E você, agora vai animar chegar todo sorridente com a caixa-berço em casa?